Como resolver erro de perfil temporário no Windows 10

Se toda vez que iniciar o Windows 10, o sistema fazer o login com um perfil temporário, isso pode ser um problema no registro do Windows. Veja como resolver neste tutorial.

Resolver erro de perfil temporário no Windows 10

É preciso primeiro efetuar o logon com uma conta de usuário com a qual não tenha o problema, caso não haja outra conta de usuário, crie uma nova a partir do painel Família e outros usuários, localizada no painel Configurações do Windows 10.

Navegue até o local onde os dados da conta de usuário estão armazenados. O local padrão é em C:\users\*NOMEDOUSUÁRIO*. Caso não saiba o local exato, abra o explorador de arquivos e digite %SystemDrive%\Users\no caminho. Faça um backup de todos os dados, seja para um HD externo ou outra parte do computador, e exclua a pasta.

 

Abra o Editor de registro do Windows, há duas maneiras de fazer isso. A primeira é digitar regedit no Executar  (Windows+R).

 

Já a segunda é digitar regedit na Busca do Windows (Windows+S)

Nele, navegue até a seguinte pasta: HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Windows NT\CurrentVersion\ProfileList
Dentro de ProfileList, haverá uma série de pastas com números como “S-1-5-21-83980542-2011529976-4058070669-1010”. Clique nela e localize o valor ProfileImagePath. Ele apontará para a pasta do usuário a qual a chave está relacionada. Por exemplo, a chave na imagem abaixo refere-se ao perfil nome-do-usuario, um dos perfis criados no computador para o tutorial.

Verifique agora a existência de uma pasta com o mesmo valor, mas com um final “.bak”. Exemplo: S-1-5-21-83980542-2011529976-4058070669-1010.bak

Clique com o botão direito do mouse sobre ela e escolha Excluir. Após feito, reinicie o computador e o problema será resolvido. Caso não esteja, é recomendável criar um tópico no fórum.

Anúncios

Dicas para licenciar o Microsoft Windows Server 2012 R2

 

O Microsoft Windows Server 2012 é uma das linhas de sistema operacional para servidores mais populares e acessíveis do mercado, que traz recursos fundamentais para diversos usos.

Entre as funcionalidades do Windows Server estão a virtualização de servidores, armazenamento, rede definida por softwares, gerenciamento e automação de servidores, plataforma web e de aplicativos, proteção de acesso, e infraestrutura de desktop.

Na hora de escolher um sistema operacional de servidor é preciso listar uma série de características e necessidades da empresa antes de decidir. Por isso, o Windows Server 2012 R2, a versão mais recente da linha, se destaca, trazendo recursos básicos e, ao mesmo tempo, robustos.

Há algumas dúvidas comuns aos clientes no momento de adquirir licenças do Windows Server. A seguir, vamos procurar esclarecer as mais frequentes.

Edições do Windows Server

Existem 4 edições do Windows Server 2012 R2:

  1. Datacenter – Indicado para ambientes de nuvem privada altamente virtualizados pois inclui direito de virtualização ilimitada. Seu modelo de licenciamento é por processador mais Client Access License (CAL).
  2. Standard – Mais apropriado para ambientes pouco ou não virtualizados. Tem os mesmos recursos da edição Datacenter e também licenças por processador mais CAL, porém de forma limitada: para dois processadores com direito de execução de duas máquinas virtuais.
  3. Essentials – Para pequenas empresas com até 25 usuários, em execução em servidores com até dois processadores. Não inclui direitos de virtualização.
  4. Foundation – Para pequenas empresas com até 15 usuários. Não inclui direitos de virtualização e só é vendida no modelo OEM, ou seja, em conjunto com o hardware vendido pelo fabricante.
Edição Recurso Tipo de licenciamento
Datacenter IlimitadoOSE (ambiente do sistema operacional) virtualTodos os recursos Processador + CAL
Standard Dois OSEs virtuaisTodos os recursos Processador + CAL
Essentials 2 processadoresUm OSERecursos Limitados ServidorLimite de 25 usuários
Foundation 1 processadorRecursos limitados Servidor OEMLimite de 15 usuários

Tipos de Licenças do Windows Server

Para o licenciamento das edições Datacenter e Standard do Windows Server, além da licença por processador, também é necessário adquirir uma licença por usuário, chamada CAL. CAL é uma sigla para Client Access License que significa Licença de Acesso por Cliente. Ou seja, é uma licença para que cada usuário/dispositivo possa acessar o servidor.

Existem dois tipos de CALs:

  • Licença por Usuário (User CAL): Para acessos de usuários em diversos dispositivos como laptops, notebooks e desktops. Esse modelo é vantajoso quando o usuário pode acessar o servidor por mais de um dispositivo, como um desktop, um tablet e um smartphone, por exemplo.Licença por Usuário (User CAL)
  • Licença por Dispositivo (Device CAL): Ideal para casos em que a empresa tenha usuários acessando no mesmo equipamento, como em uma configuração de pessoas usando a mesma máquina em turnos diferentes, por exemplo.

Licença por Dispositivo

Recomendações

Nossos especialistas em licenciamento Microsoft dão essas 3 dicas para licenciar o Windows Server:

  1. Considere as edições Datacenter ou Standard. Atualmente, a maioria das empresas já utiliza máquinas virtuais, e somente estas duas versões trazem o recurso de virtualização. Se sua empresa ainda não tem máquinas virtuais, pode ser que ela precise implementar esse modelo em breve. As edições Foundation e Essentials são indicadas apenas em casos bem específicos.
  2. Economize com o tipo de licença correta. Identifique como os usuários acessarão o servidor e escolha a melhor opção de acesso ao servidor (CAL): por usuário ou dispositivo.
  3. Conte com um parceiro especializado. O licenciamento da Microsoft e de outros fabricantes possuem algumas peculiaridades que podem ser difíceis de conhecer. Um parceiro especializado, como a 4Partner, pode dar o caminho das pedras e fazer com que você economize tempo e dinheiro.

Cuidado com sites falsos. Veja o exemplo.

Cuidado com os sites falsos, caso você faça uma compra em um site não oficial, você pode ficar sem o produto e sem o dinheiro também, veja o exemplo abaixo, recebi um e-mail de promoção, desconfiei por causa do preço e fui visitar a loja novamente com outro navegador, e para minha surpresa o site era falso, compare as imagens abaixo veja as diferenças.

Site Oficial da walmartverdadeiro

Abaixo site não official veja os detalhes indicados em destaque vemelho.

falso

Como bloquear e desbloquear menu OSD do Monitor LG FLATRON W2053TQ

lgw2053tq

Confira como bloquear e desbloquear o menu OSD do monitor LG W2053TQ

Procedimento serve em outros modelos também:

Lembrete, bloequear e desbloquear o menu do monitor. Ao pressionar qualquer botão quando o menu está bloqueado é exibido a mensagem “OSD BLOQUEADO” e nada acontece.

Como bloquear e desbloquear

Para bloquear basta pressionar o botão MENU por 5 segundos até que apareça a mensagem “OSD BLOQUEADO“.

Para desbloquear o procedimento é o mesmo do bloqueio e a mensagem exibida é “OSD DESBLOQUEADO“.

Pronto, sempre que precisar é só vir aqui 😉

Reparamos monitores, Notebooks, Microcomputadores, impressoras.

Como aumentar o limite de tamanho dos anexos no Outlook 2010

Quando vamos encaminhar os e-mail no Outlook 2010 muitas vezes temos um problema quando ao tamanho do anexo que por padrão no Outlook 2010 vem com o limite de 20 MB.

outlook-2010

Nesse tutorial é possivel aumentar esse tamanho de anexo no Outlook 2010. 1° Abra o EDITOR DE REGISTRO do Windows, pra isso clique em MENU INICIAR e na caixa de pesquisa digite REGEDIT e precione ENTER.

Na janela que abre naveque pelos registros HKEY_CURRENT_USER/software/Microsoft/office/14.0/Outlook/Preferences

regedit-2010

 

Apos acessar PREFERNCES no painel de navegação, CLIQUE com BOTÃO DIREITO do MOUSE na area branca da janela, e no MENU DE POP selecione NOVO e em sequida VALOR DWORD(32-bit)

Agora nomear essa nova DWORD de MaxAttachmentSize. Em sequida, clique duas vezes sobre MaxAttachmentSize, Isso fará com que a caixa de dialogo sera aberta, Digite o tamanho maximo de anexos no campo de valor e clique em ok

Os valores inseridos são em KB, ou seja se você quer que esse anexos sejam de 50 MB deve digitar 51200 ou se quiser um valor maior digite 0 que represente sem limites.

http://www.mgssolucoes.com.br ,  deixe seu comentário caso deu certo.

Para que serve o arquivo Reset_SafeToDelete_OverwriteSpaceFile_0.temp ?

Arquivo temporário gigante pode aparecer após utilizar a recuperação ou reinstalação de fábrica do Windows.

Algumas pessoas me relataram que ao atualizar uma versão do Windows ou ao utilizar a recuperação do sistema, houve uma demora no procedimento e também a criação de um estranho arquivo temporário chamado “Reset_SafeToDelete_OverwriteSpaceFile_0.tmp”.

Isso já aconteceu comigo quando tive que usar o modo de reinstalação do Windows ao vender um notebook com HD grande de 1Tb. O fato de uma etapa ficar demorando demasiadamente me fez perder a paciência e desligar o notebook. Ao voltar ao Windows, percebi que o espaço do disco rígido estava pequeno, constando apenas 30Gb livres dos 1000Gb do disco.

reset-safetodelete

                   Ao verificar o que houve, vi que existia este arquivo exageradamente grande chamado                             “Reset_SafeToDelete_OverwriteSpaceFile_0.tmp” com tamanho de 902Gb!

Mas o que seria este arquivo?

Este é um arquivo temporário em que o Windows usa para colocar arquivos enquanto o sistema vai limpando outras áreas do HD e que eventualmente poderá utilizar depois.

Normalmente este arquivo é excluído após os devidos procedimentos, mas em alguns casos e principalmente no meu onde forcei a parada das etapas de recuperação do sistema, acabou fazendo com que o arquivo permanecesse ali.

reset_safetodelete_overwritespacefile_0

É possível apagar este arquivo?

Sim, é possível e recomendado, já que senão estará ocupando seu armazenamento sem necessidade.

Você pode simplesmente abrir o Explorer, ir até a unidade C: ou outra onde está instalado o Windows e apagá-lo, segurando Shift e em seguida apertando a tecla Del ou Delete, para que o arquivo seja apagado diretamente sem passar pela lixeira.

Depois disso recomendo usar o programa Desfragmentar e Otimizar as Unidades, já que foi apagado do armazenamento um arquivo muito grande que utiliza muitos clusters.

Problemas com NFE Eletronica

Dois processos para instalação da NFE Eletrônica.

Prezado contribuinte, informamos que a partir de 01/04/2015 o leiaute versão 2.0 da NF-e será descontinuado. O emissor NF-e para leiaute versão 3.10 já está disponível para download para homologação (www.emissornfehom.fazenda.sp.gov.br) e produção (www.emissornfe.fazenda.sp.gov.br). Recomendamos que a instalação e homologação da nova versão seja feita o mais breve possível, evitando possíveis transtornos por uma migração de última hora. Sugerimos manter o emissor para NF-e leiaute versão 2.0 instalado para fins de consulta dos documentos fiscais emitidos neste aplicativo, dada a impossibilidade de importar as NF-es da versão 2.0 na versão 3.10 por incompatibilidade de schemas. Os cadastros básicos (produtos, clientes, transportadores e emitentes) poderão ser exportados da versão 2.0 e importados na versão 3.10. Informamos que o ambiente de homologação (testes) da versão 2.0 do leiaute de NF-e fica desativado a partir de 16/03/2015.

Devido a restrições de segurança implementadas pelo Java 8, será necessário alterar a configuração de segurança do Java. Para consultar a versão do Java instalado: Clicar em “Iniciar” e selecionar “Painel de Controle”, clicar em “Java” e “Sobre”.
Caso esteja usando o Java 8, clique aqui para acessar o tutorial.

 

Devido a restrições de segurança implementadas pelo Java versão 8, o contribuinte precisará efetuar a seguinte configuração para executar o aplicativo:

Inserir links no java click aqui.

 

 

Emissor de NF-e
O Emissor NF-e é um software desenvolvido pela SEFAZ-SP.
Dúvidas e reclamações devem ser encaminhadas para a Secretaria de Fazenda de São Paulo.

link do emissor Nfe-E

 

Itaú inaugura espaço voltado a apoiar empreendedorismo digital e projetos de inovação

O Itaú Unibanco e a Redpoint e.ventures inauguraram oficialmente nesta quinta-feira, 10, o espaço Cubo Coworking, uma iniciativa conjunta, sem fins lucrativos, voltada para incentivar a inovação e o empreendedorismo digital no país, localizado em um prédio no bairro da Vila Olímpia, em São Paulo, que além de startups envolve instituições e grandes empresas, como Cisco, Accenture e Ambev.

Segundo Marcio Schettini, diretor-geral de tecnologia e operações do Itaú Unibanco, e Anderson Thees, sócio-fundador da Redpoint e.ventures, a ideia é que o Cubo sirva como um polo de atração do sistema empreendedor e funcione como um ponto focal para apoiar os interessados.

Fazendo alusão ao Vale do Silício, em San Francisco, na Califórnia, os executivos explicaram que a densidade de profissionais, empresas, universidades e investidores é um dos motivos do sucesso da inovação produzida no local. “São Paulo é considerada o mais importante polo inovador do Brasil. Mas por ser uma cidade muito extensa geograficamente não facilita essa concentração. O Cubo pretende realizar a missão de reunir as pessoas ou fornecer condições para conectá-las, por exemplo, por meio de uma conferência via web com locais mais distantes”, explicaram.

Cubo_arte da fachada_1Itau

 

 

 

 

 

 

 

“O Cubo vai desempenhar um papel importante no ecossistema brasileiro de startups, promovendo o networking e o compartilhamento de ideias entre seus diversos participantes. Tudo isso de uma forma natural, espontânea e construtiva. É uma característica marcante do Vale do Silício que queremos alavancar por aqui”, enfatiza Thess.

A seleção das startups que já fazem parte do projeto não considerou uma área de interesse específico, nem mesmo o Itaú fez qualquer exigência ou direcionamento quanto a isso, embora boa parte dos projetos tenham como foco a chamada terceira plataforma (mobile) e internet das coisas.

Parceiros do projeto

A  Accenture vai inaugurar sua Garagem Digital no Cubo, onde trará o que existe de mais moderno em tecnologia e inovação, além de prestar mentoria para startups que frequentarem o local. A Garagem Digital também servirá para a disseminação de conhecimento, com a realização de uma extensa programação de palestras ao longo dos próximos meses.

Segundo Rodolfo Eschenbach, diretor gerente da Accenture Digital, a consultoria criou uma área específica de inovação com objetivo de apoiar a transformação digital de seus clientes, a maioria grandes companhias, tendo inclusive nos últimos dois anos adquirido empresas com foco em analytics, design. “Estar no Cubo nos possibilita conhecer, apoiar e fomentar novas ideias, que possam ser aproveitadas por nossos clientes”, explica.

A Cisco, por sua vez, pretende promover o uso de sua plataforma de internet de todas as coisas (IoE) e a colaboração do Centro de Inovação IoE da Cisco Rio de Janeiro, propiciando uma  integração tecnológica e ajuda na construção de um ecossistema para que as empresas do Cubo.

A Ambev pretende reconhecer e apoiar ideias inovadoras que fomentem o empreendedorismo, através de visitas constantes às startups para conhecer as ideias, organizar hackathons e incentivar os participantes a encontrarem soluções tecnológicas que ajudem o negócio.

Entidades participantes

A Associação Brasileira de Startups (ABStartups) anunciou que irá realizar o primeiro Censo Brasileiro de Startups, em parceria com o Sebreae, Cubo, Dínamo e Start-up Brasil, que terá o objetivo de mapear o perfil e evolução dessas empresas no Brasil para nortear tomadores de decisões que desejam trabalhar de alguma forma com startups.

Para isso, a ABStartups anunciou uma grande integração com o CrunchBase, plataforma do portal TechCrunch, que desde 2007 se tornou a maior base de dados de startups e investimentos do mundo.

“Queremos fortalecer o maior banco de dados de startups do país com grandes parcerias e realizar a cada dois anos, em conjunto com diversos parceiros, um levantamento profundo sobre o perfil das startups brasileiras para mensurarmos nosso impacto e ter guidelines para todos os agentes do ecossistema desenvolverem projetos e ações para essas empresas”, explica Amure Pinho, vice-presidente da ABStartups Pinho.

Outra parceria com o Cubo está sendo estruturada pelo governo de Ontário no Canadá, através do Mars, um centro de inovação tecnológica, que tem um interesse em fomentar as chamadas “fintechs”,  startups focadas no mercado financeiro. Segundo, Todd Barrett, cônsul comercial de Ontário no Brasil, a cidade tem um setor de serviços que movimenta US$ 51,8 bilhões ao ano e empresas de TI que geram receitas de US$ 30,5 bilhões. “Portanto nada mais natural que esses dois setores se reunissem para criar inovações no setor.”

Seu Moto G desliga sozinho? Saiba o que fazer

MotoG

Alguns usuários do Moto G de segunda geração relatam um problema que faz com que o aparelho reinicie sozinho. Em alguns casos, o bug se torna tão grave que o dispositivo repete o procedimento continuamente.

Algumas soluções simples para corrigir oa falha foram encontradas pelos próprios usuários. Uma delas é deixar que o dispositivo esgote a própria bateria. Feito isso, basta carregá-lo até a carga completa. O problema deve então deixar de acontecer.

Outra maneira encontrada para contornar o erro envolve desligar as configurações de data e hora do dispositivo. Para isso, vá em “Configurações”, em seguida, sob a aba “Sistema”, em “Data e Hora”, e desmarcar as duas primeiras opções (que estarão, por padrão, marcadas).

A página de suporte da Motorola para o smartphone também oferece uma série de soluções para o bug. Algumas delas sugerem atualizar o sistema, apagar aplicativos recém-instalados (já que podem ser eles os responsáveis pelo problema) e até iniciar o dispositivo em modo de recuperação.

Para visualizar as soluções, basta acessar a página e selecionar a opção “ligar” e, em seguida, “meu telefone desliga ou reinicia”.

Truque coloca rádio do Apple Music no Android

beatsmusicdrdre1_1020.0

Com o lançamento do Apple Music, a empresa da maçã também disponibilizou a Beats 1, rádio que opera de forma ininterrupta dentro do serviço de streaming.

Quem tem aparelho com Android também poderá usar o Music, mas como o aplicativo ainda não foi lançado não é possível conferir a programação da rádio. Mas o The Next Webdescobriu um lugar de onde está sendo feita a transmissão da Beats 1. Basta acessar este link e conferir o que os donos de iPhone já têm em mãos.

A Apple costuma ser rápida no trato com infrações, então pode ser que o link deixe de funcionar em breve. Então restará esperar até o surgimento do próximo ou pelo lançamento do app oficial do Android, que também não deve demorar para sair.

%d blogueiros gostam disto: