Google libera oficialmente versão final do Android 7.0 Nougat

156545.280869-Android-Nougat

A nova versão do sistema operacional Android começou a ser liberada nesta segunda-feira (22). Batizado de Android 7.0 Nougat, o software, como já é tradição, chega primeiro aos dispositivos da família Nexus. De acordo com o Google, o download da plataforma está disponível nos seguintes aparelhos: Nexus 6, Nexus 5X, Nexus 6P, Nexus 9, Nexus Player, Pixel C e General Mobile 4G (Android One). Usuários inscritos no programa beta do Android também poderão baixar essa versão final. O primeiro celular que virá com o Nougat instalado de fábrica será o LG V20, que ainda não tem data para chegar ao mercado. Os gadgets citados acima receberão uma atualização over the air (OTA) para baixar o sistema. Lembrando que o update não é imediato, ou seja, é provável que aqui no Brasil demore alguns dias até que ele seja lançado. Mas é só questão de tempo, já que o próprio Google está liberando o Nougat. Infelizmente, o Nexus 5 está de fora da atualização – pelo menos por enquanto -, já que o smartphone tem mais de 18 meses de vida desde o seu lançamento.

Veja quais aparelhos devem receber o novo android Nougat 7.0

HTC

  • HTC 10;
  • HTC One A9;
  • HTC One M9.

HUAWEI

  • Huawei P9;
  • Huawei Mate 8.

Lenovo/Motorola

DROID Turbo 2; DROID Turbo Maxx 2; Moto G (3ª geração); Moto G Turbo Edition (3ª geração); Moto G Turbo (Virat Kohli Edition); Moto G4; Moto G4 Play; Moto G4 Plus; Moto X Force; Moto X Play; Moto X Pure Edition; Moto X Style; Moto Z; Moto Z Force.

LG

  • LG G5;
  • LG V10.

 

NEXUS

Nexus 5X; Nexus 6; Nexus 6P; Nexus Player; Nexus 9; Nexus 9G; Pixel C.

 

SAMSUNG

Galaxy Note 5; Galaxy S6; Galaxy S6 Edge; Galaxy S6 Edge+; Galaxy S6 Edge Active; Galaxy S7; Galaxy S7 Edge; Galaxy S7 Edge Active; Galaxy Tab S2.

SONY

 

Sony Xperia C4; Sony Xperia C5 Ultra; Sony Xperia M4 Aqua; Sony Xperia M5; Sony Xperia Z3; Sony Xperia Z3 Compact; Sony Xperia Z3 Tablet Compact; Sony Xperia Z3v (exclusivo dos EUA); Sony Xperia Z4; Sony Xperia Z5; Sony Xperia Z5 Compact; Sony Xperia Z5 Premium.

ZTE

ZTE Axon 7

 

Comparado ao Marshmallow, o Android Nougat tem poucas mudanças visuais, pois mantém as principais características do Material Design. Entre as novidades da plataforma estão 72 novos emoticons, que se juntam aos já 1.500 existentes, bateria mais inteligente com modo de economia de energia, configurações de acesso rápido a recursos (Bluetooth, Wi-Fi, lanterna), suporte a múltiplos idiomas e mais opções para o usuário personalizar seu telefone.

 

156563.280883-Android-70

Outra característica do Nougat é o suporte à API avançada de renderização 3D VulkanTM, que impulsiona o processador do dispositivo para trazer a melhor experiência (visual e de hardware) em games e outros conteúdos. O Daydream, plataforma do Google para realidade virtual móvel, também é suportada pelo novo sistema operacional. Além disso, o Nougat conta com ferramentas de produtividade e com foco no trabalho, como multijanelas, resposta direta, para abrir notificações sem precisar abrir um app, e troca rápida entre dois aplicativos abertos simultaneamente. O Google também destaca que esta é a versão mais segura do Android já desenvolvida. Para isso, a empresa implementou uma criptografia baseada em arquivo capaz de isolar e proteger esses dados para usuários individuais no dispositivo, além de um recurso de inicialização direta, que executa os aplicativos com segurança antes de desbloquear o aparelho após uma reinicialização. A partir de agora, todas as atualizações serão instaladas em segundo plano, sem a necessidade de reinicializar o telefone ou tablet.

156561.280881-Android-70

Matéria completa:

http://canaltech.com.br/noticia/android/google-libera-oficialmente-versao-final-do-android-70-nougat-77601/

O conteúdo do Canaltech é protegido sob a licença Creative Commons (CC BY-NC-ND). Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.

 

Brecha no Android deixa mais de um bilhão de aparelhos vulneráveis

bug_android

O fator mais preocupante é a quantidade de aparelhos equipados com o sistema Android que estão vulneráveis no mundo todo.

A companhia ressalta que o bug possui origem no Kernel 3.6 do Linux, sistema utilizado para construir todas as versões do Android a partir do Android 4.4.

Uma notícia preocupante para os usuários Android: cerca de 80% dos aparelhos equipados com o sistema podem contar com uma falha que deixa o telefone vulnerável a códigos maliciosos. Assim sendo, através da brecha é possível “sequestrar” um aparelho e ter acesso a todo o conteúdo

No total, 1,4 bilhão de smartphones e tablets podem estar desprotegidos atualmente. O alerta foi dado pela empresa de segurança móvel Lookout, que é responsável pelo antivírus que leva o mesmo nome para Android e iPhone (iOS). A companhia ressalta que o bug possui origem no Kernel 3.6 do Linux, sistema utilizado para construir todas as versões do Android a partir do Android 4.4 (KitKat), incluindo o Android 7.0 Nougat, que será lançado ainda neste ano.

Através da vulnerabilidade, por exemplo, um hacker poderia descobrir em qual servidor o aparelho está conectado. Caso a conexão não seja criptografada, o invasor pode ainda enviar um script malicioso e infectar o aparelho. A brecha não é tão fácil de ser explorada, porém, o que realmente preocupa é a grande quantidade de aparelhos vulneráveis no mundo, bem como pelas várias possibilidades de problemas que pode ocasionar.

 

Um representante do Google disse ao site Ars Technica que há engenheiros da empresa já são conhecedores do bug e “estão tomando as medidas apropriadas”. Com isso, é bastante provável que o Android 7.0 Nougat já saia de fábrica com a correção do bug.Post completo em:

https://www.oficinadanet.com.br/post/17102-brecha-no-android-deixa-mais-de-um-bilhao-de-aparelhos-vulneraveis

O conteúdo do Oficina da Net é protegido sob a licença Creative Commons (CC BY-NC-ND). Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o CONTEÚDO ORIGINAL e não faça uso comercial de nossa produção.

Google Maps ganha modo offline para você nunca mais se perder na estrada.

maps

O Google Maps sempre foi um excelente GPS para os motoristas perdidos que não tinham um aparelho dedicado à localização. O único problema da plataforma é que ela exigia uma conexão com a internet, o que dificultava a vida de quem precisava achar a direção certa no meio de uma estrada, por exemplo. No entanto, essa é uma realidade que está para mudar, principalmente se você possui um dispositivo Android.

O Google anunciou que a versão do aplicativo para o sistema operacional recebe a partir desta terça-feira (10) um modo offline para facilitar a vida de todo mundo. Segundo a companhia, neste primeiro momento apenas as rotas para carros serão exibidas, o que deixa os trajetos para pedestres e de transporte público ainda dependentes de uma rede ativa. No entanto, mesmo com essa pequena limitação, a novidade já é bastante promissora.

Com total suporte às pesquisas brasileiras, a nova função do Google Maps permite ainda que você procure por estabelecimentos e confira detalhes do que há no caminho. A única restrição mesmo fica por conta de informações do trânsito. Como o aplicativo não está conectado, ele não consegue puxar dados de tráfego, deixando-o completamente às escuras em relação a algum acidente ou mesmo um congestionamento no caminho — o que impede que ele trace o caminho mais rápido até seu destino.

O curioso é que, ao contrário do que muito podem pensar, a ideia da empresa não é dar uma folga ao seu pacote 3G. Na verdade, o que o Google pretende com a versão 9.17 é melhorar a sua experiência e acabar com aqueles apagões que o aplicativo enfrentava quando a conexão sumia. Assim, ao entrar em uma área sem cobertura ou com sinal fraco, ele utiliza dados baixados previamente para manter o trajeto e não deixar você perdido na hora do aperto.

E a novidade funciona até mesmo quando o modo avião está ativado, bastando que a geolocalização do smartphone esteja ligada. No entanto, a companhia afirma que é preciso ter, pelo menos, 400 MB de espaço disponível na memória do aparelho para que ele baixe todos os dados necessários. O usuário pode definir também a área desejada do mapa que pretende armazenar, o que torna tudo ainda mais simples. Esses dados ficarão guardados no dispositivo por 30 dias.

O Google prometeu trazer esse modo offline também para a versão do iOS do Maps, mas não disse quando isso deve acontecer.

 

Google revela significado da letra “M” do novo Android

estatua-que-celebra-o-novo-android-ja-esta-na-sede-do-google

O doce escolhido pelo Google para identificar a nova versão do Android é o “marshmallow”. A revelação de hoje põe fim a uma rodada de apostas para a letra “M” que acompanha a edição mais recente do sistema operacional.

O marshmallow substitui o pirulito (Lollipop), presente nas versões 5.0 e 5.1, e dá sequência à tradição do Google de escolher nomes de doces para o Android. Tudo começou com o “Donut”, lançado em setembro de 2009.

Anunciado em maio, o Android M traz suporte a cabos USB C, abas customizadas, mudanças nas permissões de aplicativos e, talvez a principal novidade, mais autonomia de bateria.

Aqui você confere uma lista dos primeiros aparelhos que vão receber a atualização do sistema operacional. A Samsung também divulgou recentemente uma relação dos seus modelos prontos para receber o marshmallow. Confira:

  • Galaxy S6
  • Galaxy S6 Duos
  • Galaxy S6 Edge
  • Galaxy Note 4
  • Galaxy Note 4 Duos
  • Galaxy Note Edge
  • Galaxy Alpha
  • Galaxy Tab A

“Pior falha na história Android” permite invasão com apenas uma mensagem

android_virus-rcm992x0

Especialistas em segurança da empresa Zimperium dizem ter descoberto a “pior vulnerabilidade do Android na história do sistema”. O grande problema desta praga é que ela se espalha por mensagens MMS, que não precisam nem mesmo ser abertas para que seu telefone seja comprometido. Ela afeta praticamente todos os smartphones com o sistema, independente da versão.

Quando a mensagem é recebida, um código é executado, dando a liberdade para que alguém mal-intencionado tome o controle do seu celular, permitindo o roubo de dados, ou monitoramento remoto, como ativação da câmera ou microfone. Na prática, um cibercriminoso poderia fazer o que quisesse com seu smartphone e suas informações.

Segundo Joshua Drake, pesquisador da Zimperium, o processo acontece antes mesmo de o usuário ser notificado de que recebeu uma mensagem, o que torna o bug ainda mais perigoso.

Tudo acontece por causa de uma vulnerabilidade no Hangouts, em um recurso criado para permitir a execução de vídeo. De forma resumida, o cibercriminoso “esconde” um malware com o vídeo e o envia para o seu número de celular. O aparelho processa a mensagem e ativa a vulnerabilidade.

Isso acontece porque o Hangouts processa instantaneamente os vídeos recebidos por MMS e os salva na galeria para facilitar a vida do usuário na hora de executá-los, mas é isso que abre a brecha para o ataque. Se você não usa o Hangouts, e utiliza o app de Mensagens padrão do sistema, a mesma falha ainda é válida, mas ela só se manifesta quando a mensagem é exibida.

Felizmente, não há relatos de pessoas afetadas pelo problema. O Google já reconheceu a falha, e classificou a falha como de “alta prioridade”, por permitir execução de código remoto e acesso local ao sistema. A empresa já está se mexendo para solucionar o problema.

A questão é como essa solução será feita. Como já se sabe, atualizações do sistema normalmente têm muitos intermediários, causando demora na distribuição de updates, isso quando os aparelhos são atualizados. No caso de uma falha grave de segurança, essa característica do Android é especialmente perigosa.

Ao mesmo tempo, o Google pode tomar o caminho de atualizar apenas os aplicativos defeituosos pela Play Store, ou atualizar o Google Play Services pela loja, que é um processo muito mais simples e com maior alcance, mas ainda não se sabe se esse método é possível.

Dicas: como migrar do iPhone para o Android e do Android para o iPhone

blog_cover_iosandroid (1)

Não está satisfeito com seu celular? Pensa em “virar a casaca” e sair do Android para ir para o iPhone ou fazer o caminho inverso e deixar o jardim da Apple para ir para o quintal do Google? Há algumas coisas que você deve saber e estar preparado para fazer antes disso.

O que você vai fazer com suas músicas? E suas fotos? E seus contatos? São coisas a se considerer antes de fazer a migração. Por isso, reunimos as dicas abaixo.

Do Android para o iPhone

– Transferindo contatos: tenha certeza de que salvou seus contatos em sua conta do Google. Isso facilitará MUITO o processo de migração de uma plataforma para isso. Se você fez isso, basta acessar entrar em Ajustes > Mail, contatos e calendários e adicionar sua conta do Google. Certifique-se de permitir a sincronização de contatos. Agora os seus contatos gravados na sua conta também estão no iPhone.

– Transferindo apps: Infelizmente você está sem sorte, porque não há modo fácil de fazer isso. Você vai ter que baixar de novo todos os aplicativos que você tinha no Google Play agora na App Store. Inclusive, se você comprou um app na loja do Google, você provavelmente vai ter que recomprá-lo na loja da Apple. O mesmo vale se você fizer o caminho inverso.

Transferindo fotos e vídeos: Há alguns métodos de se fazer isso, utilizando aplicativos específicos como o Copy my Data e o PhotoSync, que permitem a transferência direta de um celular para outro, ou então apostando em serviços de nuvem como o OneDrive, Google Drive, Dropbox e até mesmo o recém lançado Google Fotos que faz bem a função de sincronização em vários dispositivos.

Você também pode usar o iTunes para isso, passando as fotos do seu celular Android para o computador, sincronizando-as com o programa e em seguida transferindo-as para o iPhone.

Transferindo músicas: Se você não usa um serviço de streaming e ainda coloca as boas e velhas mp3 no seu celular, o princípio é o mesmo do item acima: você precisa do iTunes. Não é difícil, basta sincronizar as músicas que você tem arrastando-as para o iTunes e depois passá-las pelo iPhone. Depois de plugar o celular no PC, abra o programa, entre no seu iPhone e em Música, escolha se quer passar toda a biblioteca ou apenas alguns artistas e faixas.

Do iPhone para o Android

Transferindo contatos: Como os serviços da Apple não conversam muito bem com o Android, o melhor jeito de transferir contatos é pelo iTunes. Conecte o iPhone ao PC e, no programa, clique no iPhone no canto superior direito. Abra a guia Informações e marque a caixa Sincronizar contatos com. Em seguida, selecione Contatos do Google e digite seu login e senha quando for pedido. Seus contatos serão integrados à conta do Google. Basta utilizá-la no seu novo Android.

Transferindo apps: Mesma coisa do caminho do Android para o iPhone: não há jeito simples. Você tem que baixar tudo de novo, um por um, e recomprar os apps que você tenha comprado na outra plataforma.

Transferindo fotos e vídeos: Se você não usa nenhum serviço em nuvem (OneDrive, Google Drive, Dropbox e até mesmo o recém lançado Google Fotos), o jeito mais simples de fazer isso é plugando o iPhone no PC e copiando a pasta de fotos pelo Windows Explorer para o seu computador. Em seguida, conecte o celular Android no PC e aproveite a liberdade de usar o aparelho como armazenamento e guarde lá as fotos que você tirou do seu iPhone.

Transferindo músicas: Outro passo bem simples, permitido pela técnica do drag-and-drop. Encontre a pasta do seu computador onde estão armazenadas as músicas e simplesmente arraste os arquivos para o diretório Music do seu Android, que deve estar conectado pelo USB. Você também pode usar o aplicativo Airdroid para realizar a tarefa via Wi-Fi.

Computador com Android poderá ser comprado por US$ 30

1remix-mini-o-pc-que-roda-android-custara-apenas-30-dolares

O Android está em todos os lugares. Celulares, tablets, relógios, consoles, e tudo mais. Agora, a empresa Jide quer ajuda para levá-lo a um novo tipo de máquina, onde o sistema ainda não goza da mesma popularidade: os PCs. Por meio do Kickstarter, eles tentam tirar do papel o Remix Mini, um computador pequeno rodando uma versão adaptada do sistema do Google.

O software em questão é o Remix OS, o Android modificado com o objetivo de tornar o sistema mais produtivo e adaptá-lo a telas maiores do que celulares.

O projeto mira um público que quer um produto barato em um formato pequeno, que pode se tornar um computador completo ao ser conectado a um mouse, teclado e um monitor.

Reprodução

Por dentro, as especificações são prometidas são bem simples, mas pelo preço está excelente. A empresa promete um processador quad-core de 1,5 GHz, 1 GB de memória RAM e 8 GB de armazenamento com slot para cartão de memória.

Quando lançar sua campanha de arrecadação, programada para mais adiante no mês de julho, a empresa promete entregar o produto a todos os apoiadores que contribuírem com pelo menos US$ 20. Depois disso, será possível adquiri-los nas lojas por US$ 30.

Vazam imagens do suposto BlackBerry com Android

20150703130230_660_420

Surgiram imagens do Venice, o suposto smartphone com Android que a BlackBerry pode lançar em breve.

Uma delas vem de Evan Blass, que costuma revelar vazamentos que mostram aparelhos ainda em processo de desenvolvimento ou na etapa pré-marketing, o que parece ser o caso, pois não se trata de foto, e sim uma ilustração.

É possível ter uma ideia de como será a parte de baixo do aparelho, com saída de áudio e entrada para fone de ouvido e micro USB. Também estão visíveis os botões de volume e se percebe que a tela tem uma leve curvatura, assim como o Galaxy S6 edge, da Samsung.

A outra imagem apareceu no PhoneArena e revela o aparelho aberto, com o teclado à mostra. E, pelo que se pode ver na imagem de Evan, o Venice é notadamente fino, uma vez que esconde o teclado.

Falha no Android faz 3G e 4G sugarem bateria dos smartphones

Android-Battery

Usuários de smartphones que rodam as versões 5.0 e 5.1 do Android (Lollipop) identificaram um bug no sistema operacional que esgota rapidamente a bateria quando eles estão conectados a redes móveis. O problema foi postado no fórum do Google Code.

De acordo com os usuários, trata-se de um erro que faz com que aplicativos que estejam rodando no plano de fundo consumam tanta energia e dados quanto se estivessem abertos. Com isso, a bateria é bastante prejudicada. Em alguns casos, aplicativos relativamente leves como o Google Play passam a consumir mais bateria do que a própria tela.

A vulnerabilidade afeta uma grande variedade de dispositivos, incluindo os da família Nexus (desenvolvidos em parceria com o próprio Google) e os Galaxy S6, da Samsung. Nos casos mais extremos, ele causa um consumo tão elevado de energia que torna-se quase impossível deixar o aparelho desconectado da tomada.

Apesar da gravidade do problema, o post no fórum do Google Code sobre o assunto (criado no dia 11 de maio) continua com um nível de prioridade baixo, o que tem enfurecido os usuários. A empresa ainda não fez nenhum comentário sobre o bug.

Por ora, algumas das soluções encontradas por outros usuários são negar permissão de acessar redes aos aplicativos responsáveis pelos maiores gastos da bateria, ou desabilitar de todo o acesso a redes móveis no telefone.

Truque coloca rádio do Apple Music no Android

beatsmusicdrdre1_1020.0

Com o lançamento do Apple Music, a empresa da maçã também disponibilizou a Beats 1, rádio que opera de forma ininterrupta dentro do serviço de streaming.

Quem tem aparelho com Android também poderá usar o Music, mas como o aplicativo ainda não foi lançado não é possível conferir a programação da rádio. Mas o The Next Webdescobriu um lugar de onde está sendo feita a transmissão da Beats 1. Basta acessar este link e conferir o que os donos de iPhone já têm em mãos.

A Apple costuma ser rápida no trato com infrações, então pode ser que o link deixe de funcionar em breve. Então restará esperar até o surgimento do próximo ou pelo lançamento do app oficial do Android, que também não deve demorar para sair.