O que é WhatsApp Business e por que usar

Você sabe o que é WhatsApp Business e como ele funciona? Separamos algumas informações para você entender como o novo aplicativo pode ser bastante proveitoso para sua empresa.

O que é WhatsApp Business e por que usar

Usar o WhatsApp para atendimento ao cliente não é nenhuma novidade. Segundo pesquisa realizada pela Morning Consult, 80% das pequenas empresas presentes no Brasil e Índia afirmam que o aplicativo de mensagens auxilia a comunicação com clientes e ajuda no crescimento do negócio.

Em janeiro de 2018, o WhatsApp alcançou o incrível número de 1,5 bilhão de usuários mensais, tornando-se cada vez mais um aplicativo essencial no dia a dia das pessoas.

Segundo pesquisa feita pelo Instituto Ovum, 78% dos entrevistados afirmaram que estariam dispostos a trocar o atendimento via telefone por um outro canal, como o atendimento online, caso a mudança agilizasse a solução de problemas.

Estes dados nos mostram que apostar em atendimento virtual de qualidade é uma ótima ideia. Muitas empresas já possuem o relacionamento via chat em seus sites, mas nem sempre essa é a solução mais indicada para pequenas empresas, como uma assistência técnica local.

É aí que entra o WhatsApp Business. A ferramenta gratuita permite que seus clientes entrem em contato por um canal que já usam no cotidiano, facilitando o processo de atendimento.

Além disso, o uso do WhatsApp Business facilitará a separação da vida pessoal e profissional, permitindo o uso de uma no mesmo aplicativo – o que ainda não era possível.

Diferenças entre WhatsApp Business e WhatsApp comum

Se você já usa o WhatsApp na sua assistência, pode ter dúvidas se vale a pena trocar para a versão Business. A versão para empresas conta com funções não disponíveis no aplicativo normal. Essas aplicações servem principalmente para otimizar seu tempo, oferecer dados interessantes e ainda passar mais confiança ao cliente. Confira quais são as principais mudanças:

Perfil Empresarial: ao criar uma conta no novo aplicativo, você poderá adicionar informações relevantes para o seu negócio. O perfil empresarial possui descrição comercial, com campos para e-mail, endereço físico e do site da empresa. O cliente poderá acessar esses dados e também confirmar que estão conversando com a empresa – e não com um impostor;

Mensagens especiais: com o WhatsApp Business, o envio de mensagens é mais fácil e eficiente. Perfis empresariais podem salvar respostas rápidas para as perguntas mais comuns, além de mensagens de saudação e ausência;

Estatísticas: o aplicativo fornece à empresa dados simples, como número de mensagens que foram abertas pelos clientes. Essas estatísticas te ajudarão a analisar o que está dando certo na estratégia de atendimento.

Segurança e confiança no WhatsApp Business

O WhatsApp anunciou que, em breve, empresas poderão possuir “contas confirmadas”, assim como em redes sociais como Facebook e Instagram. Essa função aumentará ainda mais a confiança do cliente na hora do atendimento.

Para quem é cliente, o uso do aplicativo normal continuará igual. Não é necessário instalar nada complementar para entrar em contato com empresas.

Como baixar o WhatsApp Business

Por enquanto, o aplicativo só está disponível para smartphones com Android, sem previsões para lançamento para iOS.

Caso você seja usuário de Android, é só procurar pelo aplicativo na Google Play Store e fazer o download. A criação de conta é igual no aplicativo comum, sendo necessário apenas um número de telefone.

Se você entendeu o que é WhatsApp Business e como ele pode ser útil para sua assistência, que tal testar a ferramenta? Quando o assunto é otimizar seu atendimento e fidelizar clientes, sempre vale a pena experimentar novas estratégias!

fonte: http://blog.elgscreen.com

 

Ranking da Anatel: Os melhores provedores de banda larga do Brasil

Nesta segunda-feira (3), a Anatel, Agência Nacional de Telecomunicações, divulgou os resultados de uma pesquisa sobre a qualidade da internet de banda larga fixa em todo o Brasil. O levantamento feito, que levou em consideração a opinião de mais de 150 mil pessoas, mostra a avaliação dos usuários em relação aos planos contratados.

Para a pesquisa, a agência levou em consideração alguns critérios, como velocidade da conexão, estabilidade da rede, disponibilidade, preço e atendimento feito pela operadora. Diante dos critérios, o site Melhor Plano classificou as melhores provedoras de internet em cada estado brasileiro. Somente o Amapá não recebeu avaliação, já que a Anatel não avaliou as operadoras do local.

Confira a lista.

Acre – NET
Alagoas – Vivo
Amazonas – NET
Bahia – NET
Ceará – NET
Distrito Federal – NET
Espírito Santo – NET
Goiás – Vivo
Maranhão – NET
Mato Grosso – NET
Mato Grosso do Sul – NET
Minas Gerais – Algar Telecom
Pará – NET
Paraíba – NET
Paraná – Sercomtel
Pernambuco – NET
Piauí – NET
Rio de Janeiro – Tim
Rio Grande do Norte – Cabo Telecom
Rio Grande do Sul – NET
Rondônia – Blue
Roraima – Oi
Santa Catarina – Vivo
São Paulo – Tim
Sergipe – NET
Tocantins – NET
Apesar dos resultados obtidos com os consumidores mostrarem que a NET foi considerada a melhor provedora de banda larga em 19 estados brasileiros, o lugar de melhor operadora ficou para a Cabo Telecom. Sobre velocidade, a Tim mostrou maior desempenho e ocupou a liderança.

Fonte: Melhor Plano

Matéria completa:
https://canaltech.com.br/noticia/banda-larga/ranking-da-anatel-os-melhores-provedores-de-banda-larga-do-brasil-91636/

sugestão :

Melhor Internet Banda Larga do Brasil

segue o link: https://melhorplano.net/melhor-internet-banda-larga

Ranking: veja o desempenho das operadoras de 3G e 4G no Brasil

Guarda-municipal-na-torre-de-TV

A empresa OpenSignal, voltada para pesquisas sobre redes móveis, realizou um estudo sobre as condições das redes móveis no Brasil. O levantamento foi feito com base em dados de mais de 80 mil usuários do aplicativo da empresa, com planos de cinco operadoras: Vivo, Tim, Claro, Oi e Nextel.

Os cinco quesitos avaliados pela OpenSignal foram: cobertura 3G/4G, cobertura 4G, tempo sem sinal, velocidade de download em 3G e velocidade de download em 4G. Em cada critério, a operadora (ou as operadoras) com o melhor desempenho ganha uma medalha simbólica.

A Claro foi a que mais levou medalhas, com quatro – a operadora só não se saiu bem no quesito cobertura 3G/4G. Oi e Tim tiveram apenas uma medalha cada (tempo sem sinal e cobertura 4G, respectivamente), enquanto Vivo e Nextel tiveram duas cada (cobertura 4G e Tempo sem sinal para a Vivo, e Cobertura 3G/4G e tempo sem sinal para a Nextel).

Análise

De acordo com o OpenSignal, embora a Claro tenha recebido a maior pontuação geral, a diferença para o segundo lugar foi pequena. Na maioria dos testes, os resultados obtidos pela Vivo ficaram bastante próximos dos da rival, segundo o site.

O OpenSignal notou também que foi possível perceber melhorias na rede de cobertura e na qualidade de conexão das operadoras mesmo no período relativamente curto de 2 meses ao longo do qual o estudo foi realizado.

Com relação à velocidade das conxões 4G, o site notou que o desempenho das redes brasileiras superou com folga a média mundial de 11,7 Mbps. No entanto, o site aponta também para o fato de que a rede 4G brasileira ainda está relativamente descongestionada, e sugere que, conforme mais usuários começarem a ter acesso ao 4G, essas velocidades devem diminuir.

Ressalvas

Embora o site informe que os dados foram coletados a partir de 80 mil usuários do aplicativo do OpenSignal, a amostra não detalha o perfil do público nem sua localização. Ou seja, não há como garantir que os resultados obtidos reflitam de fato a realidade das redes móveis brasileiras.

Se todos esses usuários forem moradores de grandes centros urbanos, por exemplo, o resultado do estudo será claramente distorcido, já que, nessas áreas a cobertura das operadoras é melhor.

Outra ferramenta que pode ajudar a ter uma ideia da qualidade das redes móveis do Brasil é esse mapa. Elaborado pelo SIMET, o mapa permite verificar a qualidad das redes móveis em cada região do Brasil.

Os 7 melhores smartphones no Brasil até R$ 1.500

QNA-Smartphones-682015

Nessa época do ano, as fabricantes de smartphones costumam anunciar as suas novidades. O foco são os tops de linha, com processadores mais rápidos que os de muitos notebooks (e com mais RAM também), câmeras que permitem capturar cada detalhe das cenas incríveis e uma série de outras funcionalidades novas de que você nunca sequer suspeitou que precisava.

Mas, se você faz parte do grande número de pessoas que não estão dispostas a investir uma fortuna em um smartphone recém-lançado (cuja tela provavelmente é tão frágil quanto a dos outros), ou simplesmente não faz questão de ter um dispositivo tão novo assim, a época também é boa para trocar de smartphone.

Isso porque, com os novos anúncios, muitas empresas aproveitam para baixar os preços de seus outros dispositivos (que acabaram de ficar “defasados”). Dessa forma, mesmo dispositivos capazes começam a aparecer por preços bem atraentes. Além disso, esse ano algumas fabricantes, como a Motorola e a Asus, anunciaram também versões mais acessíveis de seus flagships, colocando ainda mais opções na mesa.

Por isso, se você estava esperando um momento para passar de um smartphone de entrada para outro um pouco mais potente, agora é uma boa hora. Sim, isso ainda vai custar um bom dinheiro, mas talvez a vantagem de uma câmera melhor, experiência de uso mais rápida e algumas das funções novas valham a pena.

Veja abaixo os melhores smartphones que você pode adquirir por até R$ 1.500. Eles estão organizados aleatoriamente, já que o objetivo da lista não é compará-los entre si, mas destacá-los como as melhores opções de sua categoria.

Moto X Play

Recém-anunciado, um dos sucessores do Moto X 2014 já tem preço, e ele é bem atraente: o novo Moto X Play custará R$ 1500 – ou até R$ 1400, se você estiver disposto a trocar os 32GB de armazenamento por apenas 16GB. Por esse preço, você ganha um smartphone recém-saído da fábrica com processador Snapdragon 615 octa-core de 1,7GHz, 2GB de RAM, 32GB (ou 16GB) de armazenamento, cãmera traseira de 21MP e frontal de 5MP, com uma tela LCD de 5,5 polegadas e resolução Full HD.

Zenfone 2

Outro dispositivo recém-anunciado que você logo poderá adquirir por um preço interessante é o Zenfone 2, da Asus. Ele sai por R$ 1300 com 16GB de memória, ou por R$1500 com 32GB. Em qualquer caso, você dificilmente achará um celular mais potente por esse preço: ele possui um processador Intel Atom Z3580 quad-core de 2,3GHz, 4GB de RAM, 16GB ou 32GB de memória, câmera traseira de 13MP e frontal de 5MP e uma tela Full HD de 5,5 polegadas.

iPhone 5C

É possível comprar um iPhone por R$ 1.500. Mas, como você já deve imaginar, ele não será o modelo mais recente. Atualmente, o melhor smartphone da Apple que se encaixa nessa faixa de preço é o iPhone 5C, e mesmo tendo sido lançado há praticamente dois anos, ele não faz feio. Seu processador é o A6 dual-core com 1GB de RAM e 32GB de memória, e ele possui tela IPS LCD de 4 polegadas e resolução 1136×640, além de câmera traseira de 8MP e frontal de 1.2MP, ambas com a qualidade pela qual as câmeras dos iPhones ficaram famosas.

Lumia 930

A linha dos Windows Phone está bastante carente de um dispositivo top de linha que explore completamente o potencial da experiência móvel com o Windows. Enquanto ele não chega, porém, o Lumia 930 faz um bom trabalho, e você encontra ele por R$ 1500 na loja da Microsoft (e talvez ainda mais barato em algumas promoções). Esse preço lhe rende um processador Snapdragon 800 quad-core de 2,2GHz, 2GB de RAM, 32GB de memória, uma tela de 5 polegadas com resolução Full HD e câmeras de 20MP (traseira) e 1,2MP (frontal). E, em breve, o dispositivo deve receber a atualização para o Windows 10 Mobile.

LG G3

Há não muito tempo atrás, o G3 era o top de linha da LG. Hoje ele perdeu esse posto para o G4, com sua câmera que se tornou referência no mercado. Apesar disso, no entanto, ele continua sendo um dispositivo totalmente respeitável. Ele possui um processador Snapdragon 801 quad-core de 2,5GHz, 2GB de RAM, 16GB de memória (com slot para cartão microSD de até 128GB), tela de 5,5 polegadas com resolução 2K (2560×1440 píxels – o único dessa lista, e dessa faixa de preço, com essa resolução), e câmeras de 13MP e 2,1MP (traseira e frontal, respectivamente). E, procurando um pouco, você consegue encontrar ele por menos de R$ 1500.

Sony Xperia M4 Aqua

O grande diferencial do Xperia M4 Aqua da Sony nessa lista é que ele é a prova d’água (caso o nome não tenha deixado isso claro). Se o seu último smartphone faleceu durante um acidente aquático, portanto, ele pode ser interessante para você. Mas fora isso, ele também é um dispositivo bem competente para seu preço de aproximadamente R$ 1500, com um processador Snapdragon 615 octa-core de 1,5 GHz, 2GB de RAM, 16GB de memória (expansível via cartão microSD de até 32GB), tela de 5 polegadas com resolução HD (1280×720) e câmeras de 13MP (traseira) e 5MP (frontal).

Moto X 2014

E, embora ele esteja fazendo aniversário, o Moto X 2014, que logo será sucedido pelo Moto X Play e pelo Moto X Style, também merece um lugar nessa lista. Ele custava R$ 1500 na época de seu lançamento, e esse preço deve cair nos próximos meses. Por esse valor, você addquire um dispositivo com processador Snapdragon 801 quad-core de 2,5GHz, 2GB de RAM, 32GB de memória, tela Full HD de 5,2 polegadas, câmera traseira de 13MP e câmera frontal de 5MP. Compare e você verá que, com exceção da câmera, ele fica devendo muito pouco ao Moto X Play – e deve se tornar consideravelmente mais barato.

Site mostra ranking da velocidade da internet no Brasil

20150626150538_660_420

O site MinhaConexão lançou nesta terça-feira, 4, uma ferramenta que mapeia a velocidade dos provedores do Brasil inteiro. O serviço vai mostrar a disponibilidade de acordo com a região do usuário e a velocidade média de provedores que estejam em no mínimo 1% das residências brasileiras.

O sistema mostra uma visão geral da internet no país e fornece detalhes de cada região e cada cidade, possibilitando comparar a velocidade com a de outras regiões e verificar a velocidade de todo os provedores disponíveis na cidade antes de contratar um serviço.

De acordo com o MinhaConexão, São Caetano do Sul é a cidade com a conexão mais rápida do país, com velocidade média de 22.7 Mbps, seguida por Valinhos, com 18.1 Mbps, Santo André, com 17.8 Mbps, Americana, com 16.4 Mbps e São José dos Campos, com 16.4 Mbps. Entre as capitais, São Paulo possui a conexão mais rápida, com uma média de 16.3 Mbps, seguida por Curitiba, com 12.5 Mbps e Rio de Janeiro, com 11.4Mbps.

Provedores 

Entre os provedores mais rápidos do Brasil, a primeira posição é ocupada pela Predialnet, do Rio de Janeiro, com velocidade média de 25.1 Mpbs, seguida pela Zamix, com velocidade de 22.7 Mbps, Live Tim, com 22.2 Mbps, Intelig, com média de 18.7 Mpbs e Cabotelecom, com 18.3 Mbps.

O site mostra também os grandes provedores mais rápidos. Confira a lista:

1. Live Tim: 22.2Mbps
2. Net Virtua: 14.6Mbps
3. Gvt: 12.5Mbps
4. Vivo: 12.1Mbps
5. Embratel-empresa: 11Mbps
6. Ctbc: 7.1Mbps
7. Viacaboip: 6.5Mbps
8. Claro: 5.8Mbps
9. Velox: 4.5Mbps
10. Mastercabo: 4.2Mbps

Os 20 maiores sites de e-commerce no Brasil

d00d3-imagem

Os grandes players do comércio eletrônico mundial estão ganhando fôlego no Brasil. Um estudo divulgado pelo CupoNation revela que cerca de 12% dos acessos aos 20 maiores sites do ramo por aqui vão para empresas estrangeiras.

O AliExpress, que pertence à chinesa Alibaba, é o quarto site de compras mais acessado no Brasil, com 7,9% de participação entre os 20 maiores. Outros que aparecem no top 20 são o eBay, com 2,6%, e a Amazon, com 1,7%.

A primeira posição do ranking fica com a Netshoes, que tem 21,1% dos acessos dentre os 20 principais. Na sequência vêm Americanas (12,1%) e Walmart (9,7%). Confira a lista completa abaixo e, neste link, os mais de 400 sites dos quais o Procon recomenda distância.

Audiência dos 20 maiores varejistas online no Brasil

E-commerce

Audiência (milhões/mês)

Porcentagem no top 20

1º – Netshoes

43

21,1%

2º – Americanas

24,6

12,1%

3º – Walmart

19,9

9,7%

4º – Aliexpress

16,1

7,9%

5º – Submarino

12,3

6%

6º – Extra

10

4,9%

7º – Casas Bahia

9,9

4,8%

8º – Magazine Luiza

9,1

4,5%

9º – Dafiti

8

4%

10º – Ponto Frio

7,8

3,9%

11º – Saraiva

6,7

3,3%

12º – Shoptime

5,9

2,9%

13º – Ricardo Eletro

5,4

2,7%

14º – eBay

5,2

2,6%

15º – Centauro

5,1

2,5%

16º – Hotel Urbano

3,59

1,8%

17º – Amazon

3.53

1,7%

18º – Kanui

2,7

1,4%

19º – Passarela

2,4

1,2%

20º – Fastshop

2,3

1,1%

Apple Music e iOS 8.4 estão disponíveis no Brasil

apple-music_1zjc

O Apple Music chegou ao Brasil nesta terça-feira (30) cobrando em dólar por pacotes que, dependendo da cotação da moeda norte-americana, podem ser mais caros que o de serviços concorrentes como Spotify, Deezer e Rdio. O lançamento mundial inclui o lançamento do serviço em outros 99 países.

A ferramenta de música da Apple permite acesso exclusivamente pago, mas dá aos usuários três meses de degustação. Para isso, porém, devem informar número de cartão de crédito internacional. São dois os planos. O individual custa US$ 5 e o familiar (para até seis pessoas), US$ 8. Esses valores são equivalentes a R$ 15,50 e R$ 24,80, preços superiores aos de concorrentes.

O Spotify cobra R$ 2 pelos três primeiros meses. Depois desse período, a assinatura passa a custar R$ 14,90. Esse é o mesmo valor cobrado por Rdio e Deezer. Os três serviços permitem acesso gratuito, com limitações de catálogo e restrição a certas funções.

O novo serviço de streaming de música da Apple é oferecido em uma atualização do aplicativo “Música”. Para ter acesso a ele, o usuário dono de um iPhone, iPads ou iPods touch terá que instalar o sistema iOS 8.4. Já donos de Mac ou PC terão que instalar a versão mais recente do iTunes. Donos de celulares que rodem Android terão de esperar mais tempo, porque a Apple não informa uma data de chegada do serviço ao sistema do Google, mas promete que será ainda neste ano.

Veja abaixo o que o serviço oferece:

Biblioteca
O aplicativo permitirá que os usuários ouçam suas próprias músicas, sejam elas compradas na iTunes Store, importadas de um CD ou baixadas de um blog de música.

São cerca de 30 milhões de canções no catálogo do serviço. No ato do lançamento, os usuários poderão subir até 25 mil músicas de seu acervo pessoal. Mas esse número subirá. Eddy Cue, vice-presidente da Apple para serviços e software de internet, garantiu que o limite será de 100 mil faixas quando o novo sistema iOS 9 for lançado — o que ainda não tem data para ocorrer.

For You
Outra novidade é o For You, ferramenta que recomenda novas canções e artistas. “Não são só os algoritmos, são recomendações feitas por nossos experts”, afirmou Cue, durante o lançamento do serviço.

Para que o sistema componha um perfil do usuário, ele será solicitado a indicar algumas de suas preferências. Conforme mais músicas forem sendo ouvidas ou rejeitas, o sistema amplia o conhecimento a respeito do perfil musical do usuário. Assim, as sugestões feitas vão ficando mais precisas com o tempo.

Radio
Uma das novidades do serviço são as rádios, entre as quais a principal será a Beats 1, com programação que funciona 24 horas por dia durante toda a semana. Estarão por trás do canal Zane Lowe, Ebro Darden e Julie Adenuga, que possuirão programas na Beats 1.

Já as rádios temáticas terão canções e programas temáticos. São, pelo menos, 15, que tratarão de temas como os ritmos hip-hop e blues ou de músicas com uma determinada atmosfera como os canais “chill”, “on the floor” e “All-city”.

Connect
O Music terá uma função chamada Conect, que permitirá que os fãs de um cantor acompanhem as publicações dele, como as fotos, atualizações de Facebook e Twitter.

O Music terá alta integração com a assistente pessoal Siri. Será possível, por exemplo, pedir para ela “tocar as melhores músicas de 1994” ou “a música número um de fevereiro de 2011”. Os usuários poderão ouvir músicas compradas no iTunes ou de CDs físicos.

Apple Music deve custar US$ 5 no Brasil, metade do valor nos EUA

apple-music_1zjc

Saíram informações sobre os preços do Apple Music no Brasil. Se nos Estados Unidos o serviço custa US$ 9.99 por mês, por aqui os usuários do serviço de streaming de músicas vão desembolsar metade do valor: US$ 4,99 (cerca de R$ 15) no plano individual.

Usuários da versão beta do iOS puderam visualizar a oferta com o preço menor do que praticado lá fora. Para quem optar pelo plano familiar, com até 6 contas diferentes, a assinatura sairá por US$ 7,99 por mês.
Reprodução
O serviço de streaming de músicas da Apple chega ao Brasil no dia 30 deste mês.

Internet mundial está ficando mais pesada e lenta

noticia_grande_3547_0

Aqui no Brasil estamos acostumados a reclamar da velocidade da internet, mas é uma tendência global: a navegação está ficando mais lenta. Não, os megabits por segundo não estão diminuindo; a web é que está inchando, fazendo com que os sites fiquem mais pesados e, consequentemente, sejam carregados com maior lentidão.

Segundo os dados da HTTP Archive, a média de espaço ocupado por um site é, atualmente, 2,1 megabytes, o dobro do que era registrado há três anos. Como consequência, a navegação tende a ficar mais lenta se a velocidade de conexão não cresce no mesmo ritmo.

O motivo por trás desse inchaço dos sites é o investimento em imagens cada vez maiores e mais pesadas, além dos vídeos e todos os recursos que já são parte da navegação cotidiana, como os plug-ins de interatividade. As imagens e vídeos ocupam 75% do espaço de um site. Portanto, o site mais eficiente e rápido é normalmente menos visualmente atrativo.

A web responsiva também é uma culpada desse fenômeno. Alguns sites chegam a ter 50 tamanhos diferentes de imagens que podem ser requisitadas para se encaixar melhor na tela de um celular, tablet, ou desktop. Também é necessária programação extra para que tudo funcione como o esperado, o que dá uma mãozinha para que os sites fiquem mais pesados.

Há ainda o fato de que os sites estão começando a abraçar uma criptografia mais forte para se tornarem mais seguros, o que requer mais programação e poder de processamento de dados.

Curiosamente, há um outro fator pouco lembrado que é o que mais cresceu nos últimos tempos: fontes customizadas. Alguns desenvolvedores criam suas próprias fontes para se diferenciar do restante da internet. A transferência de fontes, que era apenas 1% do peso de uma página, agora usa 5%.

Cabo de internet que liga Brasil e Portugal terá aporte de R$ 92 milhões

fibra

O projeto de construção de um cabo submarino de fibra óptica para ligar Brasil e Portugal vai receber um financiamento de € 26,5 milhões (cerca de R$ 92 milhões) da União Europeia. O anúncio foi feito na última semana, durante a cúpula entre lideres da Celac (Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos) e da União Europeia.

O cabo funciona como um túnel por onde trafegam os dados. A expectativa é de que a estrutura aumente a oferta de internet e barateie o custo para o consumidor, além de melhorar a velocidade da conexão. A estrutura também irá conectar diretamente os dois continentes. Atualmente, a comunicação entre a América do Sul e a Europa precisa passar pelos Estados Unidos.

No ano passado, a Telebras disse a expectativa era que o cabo estivesse operando no segundo semestre de 2016, com capacidade de 3 Tbps. Mas houve um atraso na execução e na constituição da empresa, que ainda não está formada. O investimento total é de US$ 185 milhões (R$ 645 milhões).

A empresa responsável pela execução do projeto, criada em parceria da Telebras com a espanhola IslaLink, terá participação de 35% da brasileira e 65% da IslaLink. Mais tarde, a empresa da Espanha deverá transferir 30% das ações para um fundo de investimentos ainda não definido, ficando com 45% da participação.