Conheça os cinco melhores sites gratuitos para hospedar as suas fotos.

Esqueça os cartões de memória. Estes sites oferecem armazenamento de graça.

Atualmente, as fotos estão tomando conta das redes sociais. Com a chegada das máquinas fotográficas digitais e ainda os smartphones, fotografar nunca foi tão fácil e simples. As pessoas, cada vez mais acumulam imagens digitais em seus computadores ou mesmo nos próprios smartphones, já que dificilmente realizam a impressão de todas elas.
Por essa razão, uma das alternativas viáveis é armazenar as suas fotos em sites específicos. Os usuários possuem à disposição várias opções para armazenar as suas fotos online, e ás vezes fica até difícil escolher o melhor lugar. Uma das dicas na hora da escolha é optar por um site conhecido, já que, se diferente, o usuário corre o risco de perder as suas fotos, pois o site pode ser desativado sem um aviso prévio. E, certamente, não está nos planos de ninguém perder as fotos favoritas, certo?
Abaixo algumas opções de sites para que você possa guardar as suas fotos com segurança:

1) Flickr

O Flickr funciona tanto quanto um site para hospedar as suas fotos como também como uma rede social. O local é aberto ao público, e costuma ser bastante usado por profissionais de fotografia.
Os usuários podem ainda sincronizar a sua conta no Flickr com o Facebook e o Google.Post.
1

2)Photobucket

O local oferece hospedagem de imagens e também vídeos. O site oferece também outros serviços, como a criação de camisetas estampadas com fotos dos álbuns, calendários personalizados, entre outras.

2

3)TinyPic

O TinyPic é um dos pioneiros nos serviços de hospedagens de imagens da internet. O sistema é muito simples de ser usado, e conta com uma tela de upload na sua home. Após fazer upload das imagens também é possível compartilhar nas redes sociais, embedar, etc.
3

4) ImageShack

No local é possível armazenar não só imagens e vídeos, mas também outros tipos de arquivos. A plataforma é bastante usada para armazenamento de arquivos em geral e ainda conta com tradução para o português.
4

5)Picasa

O site, que pertence ao Google, é próprio para hospedar e também compartilhar imagens. Além disso há também o Picasa Web que funciona na nuvem, permitindo assim que os álbuns possam ser acessados de qualquer lugar através de um computador, tablet ou mesmo smartphone. Para usar o serviço é necessário realizar um cadastro.

5

 

Tem algum que você usa e não está em nossa lista? Compartilhe conosco em nossos comentários.

Post completo em:

https://www.oficinadanet.com.br/post/14013-conheca-os-cinco-melhores-sites-gratuitos-para-hospedar-as-suas-fotos

O conteúdo do Oficina da Net é protegido sob a licença Creative Commons (CC BY-NC-ND). Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o CONTEÚDO ORIGINAL e não faça uso comercial de nossa produção.

 

14 livros que você deveria ler, segundo Zuckerberg

mark-zuckerberg-getty-1024x640

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, fez uma lista com 14 livros que ele considera que todo mundo deveria ler. Ele inclusive criou o clube do livro “A Year of Books”, em que discute os livros que está lendo com membros da rede social. Confira a lista abaixo.

‘The Muqaddimah’, de Ibn Khaldun
O livro foi escrito em 1377 pelo historiador islâmico Ibn Khaldun e tenta despir preconceitos de registros históricos e encontrar elementos universais sobre o progresso da humanidade.Confira o livro aqui.

‘Sapiens: uma breve história da humanidade’, de Yuval Harari Noah
Publicado pela primeira vez em 2014, “Sapiens” é um aclamado best-seller que conta a evolução do Homo Sapiens. Zuckerberg escreveu que ‘Sapiens’ é uma perspectiva contemporânea ao que é em ‘The Muqaddimah’. Confira o livro aqui.

‘The New Jim Crow’, de Michelle Alexander
A professora de direito da Universidade Estadual de Ohio Michelle Alexander abre a discussão da “Guerra às Drogas” em seu livro e conta a criação de uma cultura que criminaliza população negra. Confira o livro aqui.

‘O fim do poder’, de Moisés Naím
Naím é ex-diretor executivo do Banco Mundial e membro sênior do Carnegie Endowment for International Peace. Em seu livro, ele faz uma investigação histórica sobre a mudança de poder em governos autoritários, militares e de grandes empresas sobre a população. Confira o livro aqui.

‘Criatividade S.A.’, de Ed Catmull
O livro conta a história da Pixar e é escrito por um dos seus fundadores. A história intercala a narrativa com lições de gestão e empreendedorismo. Confira o livro aqui.

‘Os anjos bons da nossa natureza’, de Steven Pinker
No livro, Pinker estuda como a violência tem diminuído ao longo do tempo, apesar de ser ampliada pelo noticiário e mídia social. Vale ressaltar que Bill Gates também considera esse livro como um dos melhores que já leu. Confira o livro aqui.

‘On Immunity’, de Eula Biss
Zuckerberg considera que a investigação de Biss sobre os benefícios da vacinação é uma leitura necessária, considerando o movimento anti-vacinação nos EUA e em partes da Europa. Ele disse que a ciência é clara: as vacinas funcionam e são importantes para a saúde de todos em nossa comunidade. O livro explora questões e razões pelas quais algumas pessoas se questionam sobre a vacinação. Confira o livro aqui.

‘The Player of Games’, de Iain M. Banks
O livro foi publicado em 1988 e é o segundo da série “Culture”. Ele explora como uma civilização reagiria a uma tecnologia muito avançada feita para servir as necessidades humanas e superar as capacidades das pessoas. Confira o livro aqui.

‘Chefe De Quadrilha Por Um Dia’, de Sudhir Venkatesh
O livro relata a experiência do professor de sociologia da Universidade de Columbia Sudhir Venkatesh que se juntou a uma gangue de Chicago nos anos 90. Zuckerberg considera que essa é uma inspiradora história sobre comunicação e entendimento através das barreiras econômicas e culturais. Confira o livro aqui.

‘A Estrutura das Revoluções Científicas’, de Thomas S. Kuhn
A obra tornou-se um dos livros acadêmicos mais citados de todos os tempos. O livro estreia a “mudança de paradigma” utilizando casos da história científica. A partir dele, Zuckerberg pensa que os avanços científicos são os catalisadores para a progressão social. Confira o livro aqui.

‘Orwell’s Revenge: The 1984 Palimpsest’, de Peter Huber
O livro baseia-se na trama ‘1984, de George Orwell, mas imagina um mundo em que os cidadãos usam a tecnologia que uma vez os escravizou os libertar. Zuckerberg considera que a obra de Huber pode ajudar as pessoas a perceberem como ferramentas da internet podem beneficiar as pessoas e mudar a sociedade. Confira o livro aqui.

‘Energy: A Beginner’s Guide’, de Vaclav Smil
Originalmente publicado em 2006, ‘Energiy’ começa com uma explicação básica do que é energia e parte para assuntos mais complexos, incluindo a busca para criar novos combustíveis mais eficientes e menos prejudicial ao meio ambiente. O autor também é um dos preferidos de Bill Gates. Confira o livro aqui.

‘Dealing with China’, de Henry M. Paulson Jr.
O livro aborda a ascensão da economia chinesa e como ela influencia no mundo todo. Zuckerberg ressalta que, ao longo dos últimos 35 anos, a China experimentou uma das maiores transformações econômicas e sociais da história da humanidade. Confira o livro aqui.

‘Rational Ritual’, de Michael Suk-Young Chwe
Zuckerberg acredita que este livro pode ajudar os leitores a usarem melhor os meios de comunicação social. O livro aborda o conceito de “conhecimento comum” e como as pessoas processam o mundo não apenas com base em seu próprio conhecimento, mas também no das outras pessoas. Chwe mostra como através dessas interações as comunidades conseguem criar suas próprias identidades. Confira o livro aqui.

Pesquisa: mais de 60% das pessoas usam o Facebook para se informar

facebook

Um estudo divulgado nesta quarta-feira pelo Pew Research Center mostra que a influência do Facebook e do Twitter na tarefa de manter os usuários informados tem aumentado nos últimos dois anos. De acordo com a pesquisa, o número de pessoas que utiliza as redes sociais como fonte de notícias passou de 52% para 63% no Twitter e de 475 para 63% no Facebook.

De acordo com o estudo, o aumento nos índices não se deve a um crescimento na base de usuários dos sites, mas sim dos próprios usuários ativos que passam a “descobrir” as notícias nas redes.

Notícias em tempo real

A rede social favorita para acompanhar eventos em tempo real é o Twitter, que corresponde a quase 60% da audiência. O Facebook aparece em segundo lugar, com 31%. Os sites de notícia, antes tradicionais fontes de informação, forma descritos na pesquisa como fontes secundárias na hora de saber sobre um assunto ou acontecimento.

Nos próximo anos os resultados obtidos pela pesquisa devem aumentar, devido a novidades como o Projeto Lightning do Twitter, que vai oferecer cobertura ao vivo de notícias para usuários cadastrados ou não, e os Instant Articles do Facebook, que devem trazer ainda mais conteúdo para a plataforma.

Designer do Facebook alterou ícones sem consultar ninguém

facebook-designer-profiles

Caitlin Winner, gerente de design do Facebook, publicou no Medium – que é uma plataforma de publicação de conteúdo, geralmente atualizada com temas bastante atuais – a história envolvendo a mudança discreta dos ícones que representavam pessoas no “kit gráfico” (glyph kit) do Facebook, tema que inundou a internet ontem, e revelou um segredo: Caitlin fez a mudança silenciosamente, sem avisar, nem consultar ninguém.

Após questionar entre os designers – e não encontrar nenhuma resposta satisfatória – o porquê do vetor gráfico que compõe a ilustração da mulher no ícone das solicitações estar claramente em um lugar de desvantagem, Caitlin desenvolveu a nova imagem onde coloca ambos os sexos do mesmo tamanho.

Sem avisar ou consultar os demais profissionais da equipe, Caitlin salvou a imagem na nova versão do kit gráfico, quebrando assim todos os protocolos operacionais de seu departamento. E fez isso sabendo que poderia receber uma chuva de e-mails dos demais designers questionando a alteração repentina. Mas, para o espanto da gerente de design, os novos ícones foram rapidamente incorporados aos novos produtos da plataforma.

Caitlin diz que tomou a decisão de fazer a alteração após ler uma frase em um cartaz na própria sede da empresa, que dizia: “Nada no Facebook é problema de outra pessoa”. Embora não apareça ainda para usuários brasileiros, alguns usuários já visualizam os novo ícones. A alteração deve ser incorporada em todos os produtos em breve, tendência que o Facebook segue quando implanta novidades.

Clique aqui e leia mais detalhes sobre decisão arrojada de Winner (em inglês)

Facebook permite assistir vídeos sem deixar de navegar na rede

facebook

O Facebook está testando a exibição de vídeos em janelas pop-up, permitindo que os usuários assistam a um vídeo enquanto deslizam as histórias da sua linha do tempo. A novidade está disponível para alguns usuários e ela também possibilita ver o vídeo em qualquer parte dentro do navegador.
Reprodução

Para usar o recurso basta encontrar um vídeo e clicar no botão de exibição neste modo, que é o segundo da direita para a esquerda. Assim, o vídeo começa a ser reproduzido no canto da tela e o usuário pode colocá-lo onde quiser sem parar a navegação.

facebook

Conheça 5 clones brasileiros do Facebook e do finado Orkut

20150707164644_660_420

“Nada se cria, tudo se copia”. A frase, geralmente utilizada para descrever a televisão, cola também na internet, onde muita gente tenta pegar carona no sucesso de sites, serviços e aplicativos famosos. Confira abaixo 5 redes sociais brasileiras que são cópias assumidas do Facebook e do finado Orkut.

1. FaceGloria

Reprodução
Centro da polêmica atual, o FaceGloria é uma adaptação do Facebook para a família cristã. Lá, em vez dos likes existem os “améns”. Palavrões e pornografia não são proibidos e fotos em trajes de banho e paqueras são aceitas, desde que de forma respeitosa. Criado pelo designer Átila Barros, o site chamou a atenção de Zuckerberg e foi notificado extrajudicialmente por violar a propriedade intelectual da rede. Barros se defendeu e acusou o próprio Facebook de copiar o Orkut.
2. SocialDub

Reprodução 

Com o encerramento do Orkut, muita gente ficou órfã. Pensando nisso alguns brasileiros resolveram recriar a rede social, como é o caso do SocialDub. A rede é uma junção de Orkut com MSN Messenger, o que pode agradar a usuários saudosos. Lá, diversos recursos são parecidos com a finada rede da Microsoft, como recados, suporte a gifs e comunidades. A interface também é bastante parecida com a do Orkut, oferecendo 12 opções de temas para personalizar o perfil.

O chat oferece opções de personalização de texto, assim com acontecia no MSN Messenger.

3. Caralivro

Reprodução 

Uma tradução ao pé da letra. O Caralivro entrou no ar em junho deste ano e traz praticamente os mesmos recursos do primo americano. Até mesmo as cores são iguais. Neste caso, a inspiração é quase total.

4. Orkuti

Reprodução 

Outra rede social inspirada no Orkut. O Orkuti entrou no ar em 30 de setembro do ano passado, justamente a data em que a rede que fez muito sucesso no Brasil deixou de existir. Assim como no Orkut, o site permite que os usuários avaliem quão legais, sexies e confiáveis, os amigos são.

As comunidades também aparecem no Orkuti, além dos depoimentos, páginas de fãs e de recados.

5. MirtesNet

Reprodução

Criada em 2010 pelo publicitário brasiliense Carlos Henrique do Nascimento, a Mirtesnet chamou bastante atenção das pessoas e, segundo o criador, chegou a atrair mais de 1 milhão de usuários cadastrados. No entanto, com o passar do tempo a rede começou a contar com diversos perfis fantasma e alto índice de conteúdo pornográfico.

Facebook lança versão mais leve para Android no Brasil

Facebook Lite

Um dos grandes vilões da bateria, o aplicativo do Facebook compromete o desempenho dos aparelhos. Mas os usuários do Android ganharam uma alternativa: o Facebook Lite, versão indicada para conexões mais lentas e celulares menos potentes, agora está disponível para download no Brasil.

A novidade pesa menos de 1MB e, de acordo com a empresa, traz as principais experiências do Facebook, como News Feed, atualizações de status, fotos e notificações.

O aplicativo foi lançado no início de junho e, a partir de hoje, está disponível também em outros países da América Latina e da Europa.